1 ano e 11 meses de Au Pair

O mês de Fevereiro

O meu vigésimo terceiro mês de Au Pair foi emocionante, pois eu revi a minha mãe!
Esta viagem aconteceu com o propósito de reencontro, uma ideia que surgiu durante um Skype. Como eu havia tirado o visto para o Canadá, não queria deixá-lo expirar sem o ter usado, então comecei a ver a possibilidade de ir para lá com o Mike no Natal, já que tivemos uns dias off e quando comentei isso com a minha mãe, ela achou super bacana que eu ia conhecer um outro país... Foi então, que o Mike se tocou, o Canadá é outro país! Ou seja, já que o visto americano dela não deu certo, ela poderia tentar o canadense para assim, nos encontrarmos! Eu conversei com os meus hosts e eles, muito felizes por mim, me deram uma semana de férias e logo compramos as nossas passagens pela Air Canada.
O voo da minha mãe foi direto de São Paulo e custou R$2.000 e o meu, foi direto de New York e custou US$200. Nos encontramos em Toronto na terça-feira de manhã. A minha mãe chegou uma hora antes de mim e ficou me esperando na sala de desembarque e quando eu passei pela porta e a vi, joguei as malas e corri abraçá-la! Choramos e todo mundo que assistiu a gente, se emocionou junto!
Pegamos um táxi (C$60) do aeroporto YYZ até o nosso hotel, o Ramada Plaza by Wyndham Toronto Downtown, onde passamos a semana por C$700. Assim que fizemos o check in no hotel, desfizemos as nossas malas e a da minha mãe estava cheia de surpresinhas para mim... Bis, Trakinas, Biquínis, Bijus, Camisola... quase não coube nas minhas malas haha #ameitudo
Pela nossa programação, era para termos ido ao Vaughan Mills Outlet, só que para a nossa sorte, ou melhor, para a sorte da minha mãe, que queria muito fazer umas comprinhas, a loja Sears do shopping Eaton Centre estava inteira com 70% de desconto porque estava fechando forever e ficava bem pertinho do hotel!
Depois de horas ajudando a minha mãe a renovar seu guarda-roupa, fomos até o Nathan Phillips Square, a praça central de Toronto, para conhecermos o Old e o New City Hall. Eles montam uma pista de patinação no gelo lá todo inverno por ser um dos pontos turísticos mais movimentados da cidade.
streetcar
O dia seguinte, quarta, amanheceu nevando, mas a neve não nos impediu de sairmos! Tomamos nosso café da manhã no Tim Hortons, bem tradicional no Canadá, tem um em quase toda esquina! E também passamos em frente ao Maple Leaf Gardens. E depois, fomos no Yonge Dundas Square, a praça que é o ponto turístico mais visitado da cidade, para mim, uma miniatura da Times Square! 
E já que estávamos ali, adivinha aonde fomos? Na loja Sears de novo! Também passamos na loja Victoria's Secret. Olha a pilha de roupas dela!
À noite, fomos no Art Gallery of Ontario e de graça porque nas quartas das 6 às 9pm é free! Esse é o oitavo maior museu de arte da América do norte e nós adoramos. De lá, pudemos avistar a CN Tower que estava iluminada!
No caminho de volta ao hotel, jantamos a minha sopinha preferida do Panera Bread...
Nós apenas descansamos um pouco no hotel porque logo, fomos para a rodoviária (que btwfica na esquina da Bay com a Edward, atrás do shopping e new city hall). Fomos conhecer Montreal!
Nosso ônibus da MegaBus saiu à meia-noite e chegou lá às 6am... Resolvemos pagar C$150 (ida e volta para nós duas) para além de não precisar alugar carro e dirigir na neve, economizar também na hospedagem, já que fomos e voltamos praticamente no mesmo dia!
Conseguimos dormir o caminho todo, o ônibus é super confortável e quando chegamos, logo de cara, amamos a cidade!
Toronto me lembrou muito os EUA, mas em Montreal eu me senti realmente em outro país! Para começar, a língua é o francês, as pessoas nos comércios falam inglês, mas sempre te recepcionam com "bonjourou "oui" e a arquitetura é bem histórica. Da rodoviária, andamos uns 15 minutos até a Rue Saint Paul e chegamos ao nosso primeiro destino, a Basílica de Notre-Dame que foi construída nos primeiros anos do século XIX e é simplesmente linda, cheia de detalhes, ficamos deslumbradas!
paga-se C$10 para entrar

De lá, passamos em frente ao museu Pointe-à-Callière e até gostaríamos de o ter visitado, mas como era bem cedo, ainda estava fechado...
A minha mãe não se
conformava com tanta neve!
Bem ali em frente, fica o Old Port e a água toda estava congelada! Aliás, foi nessa hora que sentimos o maior frio de toda nossas vidas!
Tanto que tivemos que correr para um táxi, fazia -25ºC mas, por estarmos próximas da água, a sensação térmica era de ainda menos... Olha que legal esse complexo de apartamentos chamado de Habitat 67!

O taxista não falava inglês, mas conseguiu nos entender em espanfranhol haha
A corrida ficou em C$25 até o Biodôme de Montréal, que fica ao lado do complexo olímpico mas que estava fechado para reforma... 
O Space for Life estava aberto e entramos! E amamos, valeu muito a pena, principalmente por ser quentinho lá dentro! Estava tendo uma excursão de uma pré-escola e foi muito bonitinho escutar a criançada toda falando francês...
Nós pegamos um metrô e em meia hora chegamos no Parc Jean Drapeau.
Lá, a minha mãe realizou o sonho de brincar na neve! Fez até um bonequinho de neve haha e claro, o anjinho deitada na neve, que jamais poderia ter faltado!

E depois de tanta neve, fomos até o Atrium Le 1000, que é conhecido por sua pista de patinação que fica aberta o ano todo, mas também conta com vários restaurantes e foi ali, onde experimentamos pela primeira vez, comida tailandesa e adoramos! A rodoviária fica bem ao lado e nós pegamos o ônibus de volta a Toronto que saiu às 6pm e chegamos meia-noite em nosso hotel para enfim, descansarmos!
Acordamos bem tarde na sexta e saímos para almoçar e também fomos visitar o Royal Ontario Museum e gente, a gente se encantou com a arquitetura do prédio desse museu, realmente super interessante!
Nós fomos e voltamos caminhando do museu e no caminho, passamos pelo Queen's Park e pela Universidade de Toronto, e ainda conseguimos avistar a Casa Loma, prédios lindos e lugares, que com a paisagem de inverno, estavam ainda mais encantadores...
Lamentavelmente, o nosso sábado foi de completo luto... Recebemos a dolorosa notícia do falecimento da minha avó, a mãe da minha mãe, e não preciso nem dizer que aquele dia foi profundamente difícil...
"God saw you getting tired, the cure was not to be. He wrapped you in His loving Arms and whispered "Come to Me". You suffered much in silence, your spirit did not bend. You faced your pain with courage, until the very end. You tried so hard to stay with us, your fight was not in vain. God took you to His loving Home and freed you from your pain. A golden heart stopped beating, two working hands at rest. God broke our hearts to prove to us, He only takes the Best." 
Claro que pensamos em terminar a viagem ali, mas não havia nada a fazer... Era extremamente caro para a minha mãe antecipar a passagem da volta e só faltavam três dias e a gente sabia o quanto a vó torceu por esse nosso reencontro...
Então, no domingo, conseguimos força e saímos do hotel... Queríamos ter tomado nosso café no St. Lawrence Market, que lembra muito o "Mercadão" de São Paulo, mas ele não abre aos domingos. Bem ao lado, fica o prédio Gooderham, que também é conhecido como Flatiron Building, já que lembra muito o de NY. É um prédio bem estreito e fica no meio de uma pracinha e sua parede dos fundos tem uma pintura que parece um "tecido rasgado". Andando mais um quarteirão, passamos em frente ao Hockey Hall of Fame e fomos procurar o PATH, o maior shopping subterrâneo do mundo. Mas quase nenhuma loja abre aos domingos... A próxima parada foi a Union Station, uma estação de trem que lembra muito a Grand Central de NY.
De lá, descemos até o Harbourfront Centre, um parque à beira-mar que por conta do inverno estava, claro, todo congelado...
E bem próximo dali fica, acredito que o mais popular ponto de referência de Toronto, a CN Tower, a terceira maior torre do mundo.
Tem um aquário de um lado e o Rogers Centre do outro.
Como nevava e tinha muita neblina, optamos por nem subir, já que não teríamos uma vista boa da cidade. Tem também um restaurante 360º lá em cima, deve ser lindo e valer muito a pena em outras estações do ano. Saindo de lá, a intenção era pegar um streetcar na Spadina Ave para voltarmos para o hotel. Mas, nem todas as linhas estavam funcionando por causa de tanta neve, ou seja, tivemos que caminhar (na neve!) por toda a Spadina, mas até que foi bom porque acabamos conhecendo ChinatownO dia seguinte, segunda-feira, já era o último... O check out do hotel foi pela manhã, mas como nossos voos eram só à noite, tivemos a ideia de deixarmos nossas bagagens na recepção do hotel e aproveitar o dia ensolarado para visitar Niagara Falls!
O ônibus até Niagara-on-the-Lake levou uma hora e meia e nós achamos a cidadezinha bem charmosa e cheia de atrações interessantes, como essa casa de cabeça para baixo!
Caminhamos até as Cataratas do Niágara que fica bem na divisa com NY e como estava diferente de quando visitei em setembro pelo lado americano com a host family! O lado canadense contempla a seção mais extensa das cataratas, que mesmo em invernos bem rigorosos, nunca congelam pelo volume intenso de água circulando constantemente pelas cachoeiras.
No fim da tarde, já estávamos de volta ao hotel e  pegamos um táxi até o aeroporto. A despedida não foi fácil, mas pelo menos sabemos que nos veremos em breve!
Obrigada por tudo, Mãe!
E de volta ao Brasil, a minha mãe tinha uma outra viagem que havia sido programada antes mesmo de cogitarmos nossa ida ao Canadá. Do extremo frio do inverno canadense, ela foi com o meu irmão, no feriado de Carnaval, para o extremo calor do verão nordestino brasileiro! E também, antes da minha ida ao Canadá, eu comemorei o meu segundo Super Bowl
Eu e o Mike fomos assistir a final do campeonato de futebol americano em NYC no bar Féile, onde todo mundo lá torcia para o time Seahawks de Seattle, WA. Como o Mike é novaiorquino, ele torce para o time de NY, o Giants, mas sempre que seu time não joga, ele torce para o time "underdog", a expressão que se usa para dizer que é o time provável perdedor, desfavorável, desacreditado (azarão, zebra!) e como o outro time, o Broncos de Denver, CO era mais "forte", todo mundo achava que iria vencer... Mas, para a grande surpresa de todos, o placar final foi de 43 a 8 para os Seahawks! Como eu não entendo o jogo, a minha parte preferida é o show do intervalo, que esse ano foi com o Bruno Mars e uma participação do Red Hot Chili Peppers, amo os dois!
Este mês, eu também comemorei o meu segundo Valentine's Day! Caiu em uma sexta-feira este ano e as minhas kids não tiveram aula porque nevou e como também havia nevado na quinta e eles não tiveram aula também e a semana seguinte era toda de Winter Break, eles estavam chateados porque não conseguiram trocar doces com seus amigos da escola. Então, eu os dei pacotinhos com chocolate Bis que ganhei da minha mãe e eles amaram porque parece muito com o Kit Kat deles.
Eu recebi do Mike, pelo correio, um buquê de rosas e morangos cobertos com chocolate! Como ele não me avisou, justamente para ser surpresa, a minha host achou que era para ela e abriu tudo haha daí, lendo o cartão, viu que era do Mike para MIM!
Eu tive curso no dia seguinte mas, no domingo, peguei o trem e fui até Long Island visitar o Mike! Ele se mudou... Morava com a mãe aqui pertinho e trabalhava em NYC no escritório de sua empresa, a mesma da época do estágio da faculdade. É uma empresa construtora e gestora de propriedades e o Mike recebeu uma promoção e agora tem a posição de Project Manager e ele é responsável por uma obra específica. Esta é a construção de uma loja BJ's e fica próxima ao apartamento providenciado pela empresa.
O apê é bem pequeno (talvez por estar acostumada em morar em casa grande!), mas fica em um condomínio bem fofo, tem até um laguinho lá e o melhor, fica praticamente na praia! Ele me levou para conhecermos, chama Smith Point e tem até um memorial, o do TWA Flight 800.
mais um lago congelado!
Long Island é também onde a avó das kids mora, onde a minha host nasceu e cresceu, mas a cidadezinha que o Mike está, fica em outro county, o Suffolk e não o Nassau, que é onde vou com eles às vezes e é também onde fica o treinamento das Au Pairs da CC. É um pouquinho mais longe e eu tenho que pegar dois trens, um Amtrak de Croton-Harmon até a Penn Station e lá, trocar para um LIRR, ou seja, o trajeto todo leva quase duas horas!
Nós combinamos de eu ir um fim de semana e ele vir no outro. E no outro, ele veio e nós fomos em um double date com a amiga Alice e seu boyfriend, Aaron, que veio de Ohio passar uns dias com ela aqui em NY, já que a host family dela foi viajar no Winter Break. Jogamos boliche e rimos muito!
Mas eu quase chorei de desespero este mês com o Jack! Durante o jantar, ele caiu da cadeira e cortou embaixo do queixo! E como era justo uma quarta-feira, o dia da semana que os hosts saem para um date, eu estava sozinha com as kids e o corte, mesmo bem pequeno, não parava de sangrar!
Bom, eu resolvi tirar uma foto e mandei mensagem para os hosts que responderam dizendo que já estavam a caminho de casa porque eles achavam que precisaria dar pontos! Fiquei bem desesperada, né mas, mantive a calma e tentei o tranquilizar enquanto segurava colocando pressão.
Deu tudo certo, ele recebeu uns stitches e foi até para a escola no dia seguinte! A Lauren é corajosa, ela quer ser médica e fez questão de ir junto e assistiu tudo! A Jennifer chorou com o irmão, parecia que o corte era nela, tadinha... Falando nela, todo fevereiro acontece o Daddy Daughter Dance, uma festa só para pais e filhas em sua escola, e este ano, o tema foi Rock Star! (ano passado foi Havaí, lembra?) E como ela AMA "dress-up play", que é brincar de se vestir, eu entrei na onda e a nossa imaginação foi bem longe!